Prezados amigos leitores do BLOG, não demorou muito tempo e os crápulas adeptos da democracia bolivariana, democracia socializante, esquerda democrática ou  social  democracia, já que não podem se colocar como comunistas, regime falido e escrachado em qualquer lugar do mundo, inclusive em suas origens, e já armaram um golpe para lá de escroto, conforme analisaremos nesta postagem para se manifestarem. Inclusive para evitarmos excesso de opiniões para que vocês possam adquirir uma visão bem plural optaremos por inserir trechos da pesquisa que fizemos em cerca de 75 materiais específicos, nacionais e internacionais, de diversas tendências, que estamos utilizando para fins de pesquisa e construção de configurações consistentes sobre os fatos que estão ocorrendo politicamente no Brasil e no mundo.

Começaremos inserindo extratos do artigo BENITEZ E A TENTATIVA DO GOLPE,  trechos de um longo e inteligente artigo assinado pelo ex-promotor de Justiça Ivo Benitez, sobre os acontecimentos da tentativa excrescente de libertação de Lula da Silva.  Está nos sites e nas redes sociais. Vale a pena ler todo o contexto!

O  texto começa assim: “os comunistas tem expertise em armar confusão, até no sentido de confundir a opinião pública. Começam com uma inverdade tantas vezes repetida, que o povo vai achando que é verdade, como as expressões “condenação sem provas” e “Lula Livre!”. Daí, partem para provocações que, se derem certo, festejam e, caso deem errado, acusam as “elites” de atrasadas, conservadoras, neo liberais e outros termos criados só para tentar incutir na população, um temor de que algo pior vai acontecer”.  Mais adiante: “na prática, são sutis e espertos.

Esperam um Desembargador da elite partidária do PT assumir um plantão estratégico, tinham  a petição e argumentos prontos e tiraram proveito do jogo Brasil X Bélgica. Caso conseguissem liberar Lula e o Brasil ganhasse o jogo, teríamos o ambiente perfeito para não haver reação”.  E ainda, porque não deu certo: “só não contavam com a astúcia da Bélgica e com a reação inteligente de Moro, Thompson Flores e Gebran Neto”. Esses são trechos de um longo e inteligente artigo assinado pelo ex promotor de Justiça Ivo Benitez, sobre os acontecimentos do final de semana. Está nos sites e nas redes sociais. Vale a pena ler todo o contexto, pois evidenciam a lógica do como e do porque se desenrolaram os fatos, inclusive com o 1º documento escrito e distribuído às 9 horas de uma manhã de domingo. Surreal, não é mesmo?

O fato:  O desembargador Rogério Favreto foi filiado ao PT por quase 20 anos. Ao que tudo indica, os três parlamentares autores do habeas corpus aguardaram o plantão do magistrado para entrarem com o HC.

Favreto foi nomeado ao TRF-4 por Dilma Roussef. O desembargador é um dos mais críticos contra a Lava Jato. Ele foi o único a votar, em 2017, pela abertura de um processo disciplinar contra o juiz federal Sérgio Moro, alegando “índole política”.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso afirmou que a decisão ordenando a soltura de Lula é “teratológica”, ou seja, absurda juridicamente. Para o ex-ministro, foi correta a revogação do habeas corpus concedido pelo desembargador Rogério Favreto, então derrubado pelo colega e relator da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), João Pedro Gebran Neto.

“A decisão é teratológica, portanto fez muito bem o juiz Sérgio Moro de fazer as ponderações, não é possível que a cada momento se tomem decisões que contrariem e afrontem a lei”, afirmou o ex-ministro, que deixou o STF em 2006.

Velloso destacou que foi o próprio TRF-4 quem autorizou Moro a decretar a prisão de Lula, em abril, quando o petista passou a cumprir pena na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba. “Foi impetrado um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que denegou. Também ao Supremo Tribunal Federal (STF), que denegou”, recorda o ex-ministro, para quem a decisão de soltura desrespeita as instâncias superiores da justiça.

Fonte: metropoles

Em nome da decência  e da tolerância, Lula, à luz da Constituição Federal, deve ser tratado como qualquer condenado.

Portanto, a liberdade de Lula implica a imediata soltura dos demais presos, em obediência ao princípio constitucional da igualdade dos direitos. E se isso ocorrer, só resta ao país a pronta intervenção militar para restabelecer a ordem e prender toda essa corja que tenta denegrir o Estado Democrático de Direito.

Ainda não vivemos em estado de anomia ou de anarquia como pressupõem os saltimbancos e agregados petistas.  Aqui ainda vige o respeito ao imperativo legal, não obstante a rebeldia do desembargador plantonista Rogério Favreto, bem como de alguns ministros do STF – Lewandowski, Toffoli e Gilmar Mendes –  componentes da Segunda Turma do STF, os quais têm  se comportado de forma antirrepublicana ao autorizar a liberdade  de criminosos de colarinho branco, desrespeitando assim  as decisões de segunda instância.

O  seu plantão foi obra ardilosa de petistas desnorteados para lograrem êxito por caminhos sinuosos, pois até agora os  empedernidos defensores  de Lula só acumularam  derrotas em cima de derrotas no Judiciário.  Assim, os tiros do PT por volta do meio dia de domingo (8)  foram apenas de festim, ou seja, fizeram muito barulho mas sem nenhum efeito.

Vejam o que disse o EX-PRESIDENTE DO STF, CARLOS VELLOSO“Um sujeito espera um juiz plantonista, ideal para impetrar um habeas corpus, um mandado de segurança, e ter a certeza da obtenção de uma liminar. Isso é velho conhecido na Justiça.”

A sociedade tem que ficar atenta para impedir  que  os indecorosos e traidores da República, travestidos de políticos sérios e honrados, não achincalhem a nação, desrespeitando a ordem jurídica a ponto de poder causar a sua instabilidade.

O país é muito  maior do que a arrogância ensandecida  de uma liderança partidária, legalmente condenada e presa, que devia se manter silenciosa  na cadeia.

Fonte: 015 – Júlio César Cardoso

A procuradora-geral da República Raquel Dodge enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF), um pedido de abertura de inquérito contra o desembargador Rogério Favreto pelo crime de prevaricação (contra a Administração Pública). Para Dodge, o desembargador cometeu falta disciplinar por conceder habeas corpus ao ex-presidente Lula no último domingo (8), durante o plantão judicial

Segundo a procuradora, as decisões de Favreto foram um ato “orquestrado meticulosamente para, em detrimento da lei vigente, alcançar a soltura do réu, que havia sido negada pelas vias processuais lícitas e competentes”.

Na visão de Dodge, Favreto apresentou “elementos de ato ilícito praticado dolosamente com o objetivo de satisfação de sentimentos e objetivos pessoais, tipificado pela lei penal.

Dodge também afirmou, no documento enviado ao STF, que o habeas corpus emitido por Rogério Favreto foi motivado pela ligação do desembargador com o PT.

“O estreito e longevo vínculo com o partido político do réu, com sua administração e com a administração de outros próceres do mesmo partido, teve efeito na quebra da impessoalidade da conduta do magistrado. Este histórico revela que a conduta do representado não favoreceu um desconhecido, mas alguém com quem manteve longo histórico de serviço e de confiança e que pretendeu favorecer”, argumentou.

No domingo 8 de julho, o desembargador Rogerio Favreto atendeu a um pedido de liberdade feito por deputados do PT em favor de Lula. Em seguida, o juiz Sergio Moro e o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região Gebran Neto, ambos relatores dos processos da Operação Lava Jato, derrubaram a decisão de Favreto por entenderam que o magistrado não tinha competência para decidir a questão. No mesmo dia, o entendimento foi confirmado pelo presidente do TRF, Thompson Flores.

Fonte: 015 – Congresso em Foco

Para efeito de ouvirmos diversas correntes de opinião,bem que procuramos, mas encontramos dificuldade de ouvirmos opiniões que não repudiassem e condenassem até com certa grosseria o fato. Conseguimos apenas um artigo escrito POR HELOÍSA CRISTALDO – REPÓRTER DA AGÊNCIA BRASIL  BRASÍLIA, PUBLICADO EM 08 DE JULHO DE 2018 ÀS 13:14 e que em seguida transcrevemos:

“Isso que estão fazendo com o Lula não vai acabar bem. Não vai acabar bem para o povo brasileiro. Não vai acabar bem para o Brasil. “Gleisi reafirmou ainda a candidatura de Lula: “Mesmo preso, ele vai ser candidato e ganhar a eleição. Quero ver se o STF vai ter coragem de anular a votação que ele vai ter”, desafiou.

O presidente do PT de São Paulo, Luiz Marinho, afirmou que o juiz Sérgio Moro e o desembargador João Pedro Gebran Neto ultrapassaram todos os limites. “Pelo visto, vamos ter que tirar Lula de lá na marra.”

Como vocês podem observar as duas assertivas são muito mais pobres culturalmente. Revelam a pobreza intelectual e falta de argumentos de ambos, mas o que é mais grave é que se percebe as ame

Assessoria da Ameron publicada em 9 de julho de 2018 às 11:49’
A Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (Ameron), diante das decisões judiciais que envolvem o magistrado plantonista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e o desembargador relator original de ação criminal vinculada ao mesmo tribunal, vem a público se manifestar referente as seguintes situações:

A Ameron apoia o Exmo. Presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores, que agilizou a solução para a definição das decisões judiciais naquele Tribunal, ao reconhecer a competência para o relator desembargador João Paulo Gebran Neto. Como efeito desta decisão houve a garantia da segurança e da estabilidade no ordenamento jurídico, pautado por decisões técnicas, fundamentadas e objetivas, sem influência político-partidária no âmbito judicial, como de regra age a magistratura de carreira.

Também apoia a decisão do desembargador relator João Paulo Gebran que apontou para a probidade nas diligências do juiz Sérgio Moro, pois a execução provisória da pena não afeta o Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba/PR, onde a ação natural tramitou; e por se tratar de ordem emanada de Órgão Colegiado do Tribunal, não seria cabível a impetração de habeas corpus, a ser conhecido no plantão judicial, conforme art. 1º, § 1º, da Resolução 71/09 do CNJ.

Dessa forma, a decisão do magistrado plantonista do TRF-4 ao conceder habeas corpus ao ex-presidente vai de encontro à decisão do mesmo Tribunal que o magistrado integra, concluindo que pedidos desta natureza, por ofender à segurança jurídica, não deveriam ser formulados ou apreciados em plantões judiciais. A Ameron reforça o compromisso com a sociedade, respeito às instituições republicanas e à segurança jurídica, assegura a transparência no exercício da jurisdição,

 Porto Velho, 09 de julho de 2018 Desembargador Alexandre Miguel Presidente da Ameron

aças veladas e até mesmo às claras que fazem no sentido da presunção e da arrogância, com matizes de ameaça e violência: ela ofende, desmoraliza e ameaça o STF e ele, indo além disso, ameaça o confronto —  tirar na marra. Chega a dar vontade de “ vomitar”

CONCLUINDO,  deixamos como mensagem que Lula está se portando como um brasileiro prejudicial, negativo, perigoso e malfeitor em relação ao povo brasileiro e ao país. Em troca de assumir sua prisão com o caráter que tem de punir atitudes de crime e desonestas e portar-se politicamente de forma decente, avilta seu ex-cargo  tentando pela  manipulação de poderes que não mais possui,fazendo uso asqueroso de rescaldos de peçohenta influência, incitar e exarcebar comportamentos revanchistas, de ódio e de confronto açulando a esquerda, o socialismo bolivariano e a sua sempre falsa vertente comunizante. O Lula deveria ser defenestrado da sociedade brasileira como vírus portador de mórbida doença: total falta de caráter,

LINK: http://blogdomarciofontes. blogspot.com. ou acesse pelo diario7