O Brasil deixou de recolher pelo menos R$ 80 milhões em tributos federais nos últimos cinco anos em decorrência da falta da regulamentação do canal de exportação na fronteira entre RO e a Bolívia, segundo declarou a Receita Federal durante uma entrevista coletiva nesta terça-feira (22).

Os auditores fiscais da Receita concederam a coletiva no prédio do órgão para falar sobre temas importantes como a exportação e o comércio transfronteiriço em Guajará-Mirim (RO), situada na fronteira com a cidade boliviana de Guayaramerín, a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho.

Desde que os portos das duas cidades foram fechados na última semana em forma de protesto contra um Decreto assinado pelos dois países em 1990, esta foi a primeira vez que a Receita Federal se pronunciou sobre o delicado assunto que gerou uma onda de protestos nos dois países.

“Através da nossa análise primária constatamos que nos últimos cincos foram aproximadamente 227 milhões de dólares, o equivalente a R$ 1 bilhão, sendo que desses 1 bilhão mais de 90% das mercadorias foram transportadas por barqueiros bolivianos e não seguiram os trâmites legais do canal de exportação. Concluimos que nesse período a União deixou de recolher cerca de R$ 80 milhões em tributos federais, já falando da parte estadual, mais R$ 130 milhões de ICMS também deixaram de ser recolhidos na cidade”, diz o auditor Gleidson Cardoso.

Conforme as informações divulgadas na coletiva, os auditores enfatizaram que a medida trata-se de um controle aduaneiro e que vai fortalecer e proteger o comércio da região, já que os produtos brasileiros terão que ser registrados para evitar crimes de descaminho, contrabando e lavagem de dinheiro.