Senador Valdir Raupp de Matos - MDB

Na manifestação encaminhada ao STF, Raquel Dodge destacou que a partir da quebra de sigilo telefônico envolvendo os investigados, chegou-se à conclusão de que não houve contatos telefônicos diretos entre o grupo de Raupp (senador e seus assessores) com sócios da Construtora Brasília Guaíba. A procuradora-geral da República ressaltou, ainda, que a Construtora Brasília Guaíba não realizou doações em favor do senador ou em favor do diretório regional do MDB em Rondônia ou do diretório nacional do partido.

Já na quarta-feira (9), o ministro Celso de Mello arquivou as ações penais n.º 383 e 358 relacionadas respectivamente ao Beron e Ceron no período em que o senador Raupp era governador do Estado, entre 1995/99. Por mais de 20 anos, os adversários do senador Valdir Raupp usaram essas ações no STF para o atingir politicamente. Ele sempre respondeu as acusações com uma obstinação pelo trabalho e seu compromisso os rondonienses e com o desenvolvimento do Estado de Rondônia.

O senador Valdir Raupp disse ter recebido com serenidade as decisões do arquivamento e afirmou que sempre teve a convicção de que não praticou nenhum ilícito. “Sempre aguardei com tranquilidade o resultado dessas ações. Durante este período continuei firme no meu propósito de trabalhar pelo desenvolvimento de Rondônia. Agora com tudo esclarecido, renovamos nosso compromisso em continuar o trabalho em prol dos rondonienses e do crescimento do nosso Estado”, declarou Raupp.