Notícias

Haddad cita possível corte de 0,5 ponto nos juros


O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quarta-feira (2) que há espaço para uma redução de até 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, que atualmente está em 13,75%. Em entrevista a emissoras de rádio no programa Bom Dia, Ministro, ele destacou, entretanto, que o mercado está “pendendo mais” para um corte de 0,5 ponto percentual. A taxa será divulgada após a conclusão da quinta reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) nesta quarta-feira (2).

“Ninguém espera a manutenção da taxa. Ninguém. Não existe um economista, pelo menos com reputação, que possa defender a manutenção da taxa. Hoje o mercado está pendendo mais para 0,5 do que para qualquer outro número. Lembrando que tem gente do mercado, que está lá operando fundos bilionários, apostando inclusive em um corte de 0,75 ponto. Ou seja, penso que as perspectivas são muito boas.” 

“Está todo mundo trabalhando na mesma direção, para arrumar a casa. Ao arrumar a casa e tendo esses benefícios – queda da inflação, queda do dólar –, tudo isso aponta numa direção técnica de um corte mais consistente. Hoje, o mercado está pendendo mais para 0,5 do que para qualquer outro número”, completou Haddad. 

Durante o programa, o ministro lembrou que a Selic se mantém em 13,75% há quase um ano. “Vai apagar velinha de aniversário”, brincou.

“O mundo mudou muito. O Brasil mudou. O Congresso trabalhou, o Judiciário trabalhou, as agências de risco trabalharam, o FMI [Fundo Monetário Internacional] trabalhou olhando para a economia brasileira. Aconteceu muita coisa boa nesse primeiro semestre.” 

“As pessoas agora estão discutindo: o que vamos colher desse investimento que foi feito no primeiro semestre? Tecnicamente, a pessoa pode falar: ‘Vamos colher meio ponto porque tem espaço para isso. Vai ser bom para o Brasil’. Essa pessoa está sendo política, está sendo técnica? Não faz muito sentido essa discussão. Estamos falando de técnica aqui, não de outra coisa. A Fazenda não discute outra coisa.”  

Por Agência Brasil

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo