Notícias

Saiba o que é o Discord, aplicativo popular entre gamers


Aplicativo popular entre os jovens, o Discord vem sendo alvo de investigações por ter canais com conteúdos que fazem apologia ao nazismo, racismo, pedofilia e exploração sexual.

O Discord oferece chat de voz, texto e vídeo e é bastante utilizado por gamers para se comunicar com amigos e outros usuários ao jogar online. O aplicativo, entretanto, vem sendo usado por criminosos para circular conteúdos violentos.

Gerente da organização não governamental (ONG) Safernet, Guilherme Alves explica que o aplicativo tem diversas funcionalidades, entre elas, ser um fórum de bate papo. 

“O Discord é uma plataforma de comunicação em que as pessoas podem se comunicar de forma privada ou participar de grupos que são chamados de servidores onde podem trocar mensagens de texto, de áudio de vídeo. Elas podem participar de transmissões ao vivo, por voz ou por vídeo”, detalha.

Ele destaca que o aplicativo se tornou famoso, nos últimos anos, entre jovens. “Por muito tempo ele foi reconhecido como espaço de comunidades de jogos virtuais que é um tópico que interessa boa parte dos adolescentes. Mais recentemente, temos visto algumas comunidades que têm engajado conteúdos de extrema violência.”

Por conta do aumento da violência nesse espaço, ele defende que a plataforma seja mais proativa no desenvolvimento de ferramentas e políticas que ajudem a conter a veiculação de conteúdos criminosos.

“Agir pela moderação de conteúdo proativa, principalmente pensando na proteção de crianças e adolescentes. Também é preciso cooperação mais estreita com as autoridades dos países quando há investigação que pode identificar que um servidor do Discord esteja sendo palco de conteúdos criminosos”, avalia.

No site, o Discord mantém uma extensa lista de orientações à comunidade. Atualizadas em fevereiro 2023, as normas incluem: não encorajar, coordenar ou se envolver em situações de assédio e não usar discurso de ódio ou se envolver em outras condutas odiosas. 

Segundo a plataforma, em caso de violação das diretrizes, o aplicativo pode atuar com a “remoção de conteúdo, suspensão ou remoção das contas e/ou servidores responsáveis, além de possíveis denúncias às autoridades policiais”. 

Cuidados

Para evitar que jovens sejam coagidos dentro dessas redes, Marilene Souza, psicóloga e professora da Universidade de São Paulo (USP), diz que é importante atenção e diálogo entre pais e filhos. Segundo ela, é necessário prestar atenção no que crianças e adolescentes estão fazendo e o conteúdo que consomem dentro de seus quartos enquanto utilizam o computador ou celular.

“Fundamental que pais acompanhem diariamente como os filhos estão entrando nas redes sociais, o que estão vendo. Inclusive há formas de regulação dos pais em relação às redes. É possível ver espelhos das plataformas ou colocar horários, limites para entrada nas redes sociais”.

Marilene também sugere que famílias e escolas proponham atividades que não sejam só por telas de celulares, computadores e jogos, mas principalmente ao ar livre.

“Precisamos, cada vez mais, levar nossos adolescentes e crianças para espaços que não sejam os das telas. E isso é um processo que também o adulto vai precisar passar, porque nós também estamos abduzidos pelas telas. É importante que a gente possa resgatar a necessidade de construirmos outras atividades em espaços abertos, em contato com a natureza”.

A especialista ainda destaca a importância das escolas no debate sobre uso de aplicativos envolvendo a participação de jovens. Ela considera que o Poder Público e a sociedade civil também podem ajudar, com a regulação dos aplicativos digitais.

 

*A matéria foi modificada às 20h para inclusão de novas informações do gerente da Safernet, Guilherme Alves. 

Por Agência Brasil

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo